Pages

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Auto-engano


Jurei que eu sabia onde estava,
Quando nem sabia ao certo onde chegar.
Segurei as pontas, impedi os nós,
Escondi o reflexo que eu não queria enxergar.

Afoguei na escuridão fingida,
De não querer saber.
Sentei a beira do caminho,
Fingindo simplesmente não querer.

Me perdi sozinha,
Por puro medo de me encontrar.
Liguei o automático,
Esperando minha vez chegar.

Preferi o frieza, a aspereza,
A ironia de não importar.
Escolhi as máscaras,
Por, da face original me enojar.

Por favor, alguém arranque meu coração,
E me deixe aqui pra sangrar...
Por favor alguém me cegue,
Talvez assim eu possa enxergar...

Por: Letícia Rosa

5 comentários:

  1. Poetas não tem Baús pulsantes, pois simplesmente não guardam, jogam para fora pensamento, sentimentos remoídos e mastigados, cruz em sua essência, mais profundos como sua alma.

    Baús pulsantes são para pessoas normais, que guardam pensamentos e sentimentos, não para poetas que não consegue conter suas palavras.

    O que cala os dedos de um poeta,é a morte e algumas mulheres, que com suas palavras cativam sua mente, o jogando no fundo de um posso chamado realidade.

    ResponderExcluir
  2. Tem um selinho para vc no meu blog !!!!

    até !!!!!

    ResponderExcluir
  3. tem um selo pra você em meu blog. (:

    ResponderExcluir
  4. (Será que hoje consigo deixar comentário..rs)

    Que lindo! quantos momentos da vida, não usamos máscaras e em quanto outros, não pedimos socorro pra poder ver.

    Linda reflexão!

    beijos à todos.

    ResponderExcluir