Pages

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Salvar uma alma


Parecia noite de natal. A neve do lado de fora e a família reunida para o jantar. Mas tinha estranho, algo no clima da casa. Bem, acho que eu era a única a notar tal efeito. Não os culpo, afinal, só conseguem ver o que querem e isso se aplicar aos outros sentidos do corpo. Era meia noite e estávamos todos reunidos na mesa, todos menos Jhony, meu irmão mais novo. Eu me ofereci para procurá-lo, pois mesmo que a mesa estivesse confortável tinha aquela sensação estranha que não me deixava quieta. Subi as escadas e fui seguindo o rastro de maldade até chegar ao quarto dele. Chegando lá, me deparei com um homem todo encapuzado que estava emanando todo aquele clima pesado. Ele estava balançando a mão do meu irmão e dizendo que foi um bom negocio, a me ver sorriu diabolicamente e correu para o banheiro e se trancou, quando consegui abri a porta ele não estava mais lá e a janela estava fechada.
Tentei persuadir meu irmão, no dia seguinte, para me contar quem era e o que queria aquele homem estranho, mas não deu em nada. Desgraçado, eu havia ensinado a ele a resistir a qualquer chantagem para abrir o bico, mas agora isso se voltou contra mim. Ele apenas dizia que se contasse o trato era rompido, deixei de lado por que o garoto já estava chorando. Uma semana depois fui levá-lo para escola e comecei a conversar com a mãe do melhor amigo dele que tinha ido levar seu filho, ela me disse que seu filho estava com câncer no cérebro inoperável e que por um milagre havia sumido. Droga! Agora juntei as peças, aquele idiota vendeu a alma para um demônio e pediu para curar seu amigo. Ok que era o único amigo, mas devemos deixar as pessoas irem. Não falei nada com Jhony, não queria que ele soubesse que eu ia recuperar sua alma. Fiz todo tipo de pesquisa, até aprendi latim. Não existe um jeito de matar demônios, mas posso prendê-lo e exorcizá-lo. Isso me deixou feliz por que eu tenho pelo menos uma arma contra o desgraçado. Só que ele sumiu...
Passaram-se dois anos desde o meu encontro com o demônio que fez o pacto com meu irmão. Já havia perdido as forças e a esperança. Voltando para casa com Jhony eu volto a sentir aquela aura demoníaca. Procuro desesperadamente e do outro lado da esquina eu o vejo olhando para uma menininha linda, ruiva de olhos tão verdes que te rendem a ela. Pergunto a meu irmão quem é, e diz que é Gina Dashwood. Então peço quase chorando para ele pedir para brincar com ela e ele não resiste e nós vamos para casa dela. Já anoitecendo nada acontece e tenho que levar meu irmão. Só que por sorte a mãe de Gina, Shara, pediu que eu ficasse de babá, pois ela ia jantar fora com o marido e até ia chamar uma babá, mas como eu já estava lá, e eles até me pagariam. Aceitei. Quando os Dashwood pais saíram espalhei armadilhas por toda casa. Já era quase 23h00min e as crianças estavam dormindo, Jhony no quarto de hóspedes e Gina em seu quarto, e comecei a sentir aquela presença e fui correndo para o quarto de Gina. Entrei no quarto e ele estava preso no símbolo que eu havia colocado debaixo do carpete. Ele estava furioso. Tive que tirar Gina às pressas de lá. Voltei e comecei a negociar com ele. Ele sorria irônico toda vez que eu começava a falar, até que eu gritei que queria a alma do meu irmão de volta ou ele voltaria pro inferno. Ele parou, olhou nos meus olhos e me fez uma proposta: ele devolveria a alma do meu irmão e seu trabalhasse pra ele. Eu ia dizer que não, mas quando eu abri a boca ele disse que não era pegar almas pra ele só eliminar a concorrência, pois eu tinha certos “poderes” já que eu o havia sentido...
Quando sai do quarto percebi que os dois estavam ouvindo a conversa e sabiam o que fiz, mas ninguém contou pois foi tudo para salvar a vida do meu irmão.

Por: Victor Magalhães

Um comentário:

  1. Parabéns
    Uma bôa ação, e comandada pelo coração
    Beijos
    Preciosa Maria

    ResponderExcluir