Pages

sábado, 10 de abril de 2010

Antíteses


De que vale tanta correria, tanta pressa, tanta vida? De que vale isso tudo?
Lhe digo sem pensar: Nada!
"O mesmo nada que é em suma, a soma daquilo que acreditamos ser tudo."
Um tudo, ou mesmo um nada, vago e tão complexo que nos torna escravos do tempo.
Um tempo que não pára, mesmo quando há gritos de corações e almas acorrentados, pedindo para fazê-lo.
Almas e corações acorrentados ao passado, vivendo de forma drástica o presente temendo pesadamente o futuro.
Um futuro breve e distante, tão incerto, tão confuso...
E de que vale tanta correria, tanta pressa, tanta vida? De que vale tudo isso?
ps: O trecho entre aspas é de Letícia Rosa

Por: Mariana Germano

5 comentários:

  1. Aqui é tão aconchegante!
    Tenha um lindo final de semana!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. "Tempo tempo, mano velho, vai vai vai vai, vai. Tempo amigo, seja legal, conto contigo, pela madrugada, só me derrube no final." - Sobre o Tempo - Pato Fu.

    Agradeço imençamente pelo carinho a meus textos. Me alegra que tenha gostado do ensaio.

    Saudações do Pierrot.

    ResponderExcluir
  3. Corremos porque temos medo de não termos tempo. Mas, apesar dele ser bem mais veloz, estamos sempre a tempo de desacelerarmos e aproveitarmos o que a vida tem de melhor!

    Muito obrigada pelas palavras! :')

    Um beijinho e uma linda semana !

    ResponderExcluir
  4. o tempo e sua frieza calculista...!!! =X

    ResponderExcluir